Buscar
  • SINASEFE BAMBUÍ

Servidores do IFMG discutem Greve a partir do dia 13

(Release enviado à imprensa local no dia 09 de junho de 2022)

Ou para ou para: mesmo sem greve, IFMG pode parar atividades, devido aos cortes de verbas da Educação, que tornam insustentável a manutenção dos trabalhos



Servidores do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí discutirão nesta sexta-feira, 10, a manutenção da Greve Geral a partir da próxima segunda-feira, 13, com o objetivo de reverter os cortes da Educação. A decisão de adesão à greve foi tomada na semana passada, em assembleia realizada pela Seção Sindical Sinasefe Bambuí e, na reunião desta sexta, poderá ser convalidada.


A pauta de reivindicações da Greve foi votada e aprovada no dia 1º de junho com os seguintes termos:

  • Reajuste Salarial de 19,99% para o conjunto de Servidores Públicos Federais;

  • Arquivamento da PEC 32 (Reforma Administrativa);

  • Revogação da Emenda Constitucional 95/2016 (Congelamento de Verbas por 20 anos - PEC do Fim do Mundo);

  • Desbloqueio imediato dos 14,50% dos recursos do Orçamento 2022 dos Institutos Federais (Ato realizado pelo Governo Bolsonaro no dia 27 de maio deste ano).


É GREVE porque é GRAVE!

A assembleia desta sexta-feira, 10, convocada pelo Sinasefe Bambuí, acontece a partir das 13h00, no Centro de Convenções do IFMG Bambuí. Há uma grande preocupação por parte do sindicato com relação à capacidade orçamentária do campus, visto que, conforme informado pela direção do IFMG, a escola tem hoje condições de manter suas atividades somente até o mês de setembro. E, devido ao recente corte realizado pelo Governo Federal no orçamento de 2022, ainda não foi alcançada uma solução para conseguir manter os serviços prestados pelo IFMG Bambuí para o restante do ano.

A situação é grave, pois o bloqueio orçamentário ocorre nos recursos destinados à manutenção básica das Instituições de Ensino Federal. Ou seja, atividades essenciais de ensino, pesquisa e extensão, visitas técnicas e insumos de laboratórios serão cortadas dos estudantes. Serviços de limpeza e segurança também deverão ser afetados, acarretando em demissões e, consequentemente, em desemprego, em um momento de tentativa de aquecimento econômico pós-pandemia.

Em 2022, os campi da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica voltaram a ter estudantes presenciais, que retornaram ávidos por conhecimento e socialização. Os eventos científicos, culturais e esportivos entraram no planejamento das IFEs e já existem licitações em andamento e/ou contratos assinados. O ano que devia propiciar uma volta à normalidade, pode se tornar um pesadelo. Mais do que nunca, os estudantes precisam que as IFEs ofereçam condições mínimas para os seus desenvolvimentos e para recuperação da aprendizagem.


Greve Geral

Deflagrada no dia 16 de maio, a Greve Geral do Sinasefe avança em todo o país. Servidores de diversas instituições federais de ensino estão aderindo ao movimento paredista, com o objetivo de lutar pelo reajuste salarial, que está congelado há seis anos sem reposição da inflação, e, principalmente, lutar contra o desmonte da rede federal de ensino, que vem acumulando perdas orçamentárias nos últimos anos e enfrenta graves dificuldades para manter as atividades.



Veja outras matérias relacionadas à Greve:


Aprovação da Greve:

https://www.sinasefebambui.org/post/assembleia-aprova-greve-a-partir-do-dia-13


Reunião com direção do IFMG Bambuí sobre os impactos orçamentários:

https://www.sinasefebambui.org/post/comando-de-greve-se-re%C3%BAne-com-dire%C3%A7%C3%A3o-do-ifmg


Apanhado geral sobre os cortes da Educação e seus impactos:

https://sinasefe.org.br/site/ato-nacional-contra-os-cortes-de-verbas-na-educacao-09-06-em-todo-o-pais/


5 visualizações0 comentário